Atuação da Terapia Ocupacional na Melhoria da Qualidade de Vida das Pessoas com Distrofia Muscular (Artigo)

27 de julho de 2017 by Camila Sales
terapia-ocupacional-e-distrofia-muscular.jpg

O presente artigo foi produzido pela, na ocasião estudante, Maria das Vitórias M. Silva, sob a supervisão da Dra. Márcia lima Crócia de Barros, e trata da atuação da terapia ocupacional na distrofia muscular.

Terapia Ocupacional

Terapia Ocupacional é a ciência que estuda a atividade humana e a utiliza como recurso terapêutico para prevenir e tratar dificuldades físicas e/ou psicossociais que interfiram no desenvolvimento e na independência do cliente em relação às atividades de vida diária, trabalho e lazer.

Áreas de Atuação

As áreas de desenvolvimento desta profissão são vastas, visto que a incapacidade funcional é causada por vários fatores (congênito, stress, traumas físicos, psíquicos e neurológicos, dentre outros). Daí a importância do TO em:

Creches, escolas regulares e especiais;
Hospitais psiquiátricos, clínicos e cirúrgicos;
Empresas e Hotéis;
Centos de saúde, de convivência e comunitários;
Clínicas e Consultórios;
Atendimento domiciliar e outros.

Ocupação e Saúde

A Terapia Ocupacional fundamentou-se no conceito de que os seres humanos têm uma natureza ocupacional. Isto é, é natural estarem envolvidos em uma atividade, e o processo de estar ocupado contribui para a saúde e o bem estar do organismo.

Atividade

Atividade Sem Propósito: Não existe meta inerente além da função motora utilizada para realizar a atividade;
Atividade Com Propósito: É fundamento da Terapia Ocupacional e sua principal modalidade de tratamento. Existe o envolvimento físico e mental simultâneo do paciente.

A atividade Selecionada com Propósitos Terapêuticos Deve Ser:
Orientada a uma meta;
Ter algum significado para o paciente;
Satisfazer as necessidades individuais em relação aos papéis sociais;
Exigir a participação mental ou física do paciente;
Ser adaptável; graduável e adequada a idade;
Ser prescrita por um terapeuta ocupacional.

Intervenção Terapêutica Ocupacional Direcionada

Área de desempenho: Atividades de vida diária (AVD), o trabalho, e as
atividades de lazer.
Componentes de desempenho: Componente sensoriomotor, integração
cognitiva, habilidades psicossociais e os componentes psicológicos.
Contexto de desempenho: Dimensões temporais (idade, processos
importantes da vida do indivíduo) e ambientais, físicos, mentais e sociais.

Modelo de Reabilitação

O termo reabilitação significa um retorno à habilidade, ou seja, um retorno às utilidade física, mental, social, vocacional, e econômica mais completa possível para o indivíduo. Significa a capacidade de viver e trabalhar com as capacidades remanescentes. O Modelo de Reabilitação usa a mensuração que capacitam o paciente a viver o mais
independente possível com alguma deficiência residual. Usando o modelo de reabilitação a Terapia Ocupacional focaliza mais as áreas de desempenho.
A meta do programa é minimizar os obstáculos da deficiência. O Terapeuta Ocupacional deve avaliar as capacidades do paciente e determinar como superar os efeitos da deficiência.

Métodos de Tratamento do Modelo de Reabilitação:

 Aquisição de tecnologia auxiliar e treino para seu uso;
Vestuário adaptado;
Cuidados com a casa;
Avaliação e adaptação da residência;
Dirigibilidade da cadeira de rodas;
Avaliação e treino dos cuidados pessoais;
Atividades relacionadas ao trabalho

Avaliação

Engloba tanto aspectos objetivos quanto subjetivos, que deve ser periodicamente revisto, uma vez que lidamos com patologia progressiva a qual ocorre mudanças constantes, portanto muitas vezes o progresso da terapia pode ser medido pela manutenção do quadro motor e funcional do indivíduo.

Avaliação Funcional
Motora: (tônus, trofismo, FM, ADM, contraturas e deformidades);
Função de MMSS: (dominância,
Coordenação motora grossa e fina);
Aspectos Perceptivo-Cognitivo e Sensoriais;(se existe ou não déficit);
Aspectos emocionais: ( de forma que interfira no desempenho ocupacional).

Desempenho Funcional
Autocuidado: (Alimentação, vestuário, Higiene)
Escola/trabalho;
Lazer/bricar
Comunicação;
Mobilidade.
Observações Importantes no Tratamento
Observar a Postura e movimentação global do indivíduo;
Mudanças posturais e a forma como são realizadas;
Observar as dificuldades encontradas na área de mobilidade;
Orientar o paciente a referir qualquer sinal de cansaço durante a realização das
atividades;
Presença ou não de movimentos posturais compensatórios;
Participação dos pais/cuidadores no tratamento, e continuidade em casa.
Objetivos da TO
Promover a manutenção e/ou melhora da força muscular;
Promover a manutenção da amplitude de movimento;
Prevenir encurtamentos e deformidades;
Promover manutenção e ou melhora da função manual;
Auxiliar o processo de conscientização corporal por meio da percepção ocorridas
no corpo; imagem corporal;
Estimular a maior independência possível nas atividades de vida diária.
Realizar orientação quanto ao posicionamento adequado;
Prescrever adaptações em mobiliários e /ou utensílios, quando necessário;
Prescrever órteses e cadeira de rodas quando necessário;
Prestar orientações a família.

Durante a terapia objetivamos retardar o processo degenerativo mantendo a integridade da fibra muscular o máximo possível. Para tanto, são realizados alongamentos, estimula-se a movimentação ativa, ativa assistida, passiva, e
orienta-se o posicionamento adequado. Fazemos uso de atividades graduadas, partindo de níveis mais simples para mais complexos. Orientando o paciente a referir qualquer sinal de cansaço.

Adaptações/Tecnologia Assistiva/Órteses
Orientações (posicionamentos, Treino);
Recursos de reabilitação:
Cinesioatividade
Atividades aquáticas
Avaliação do domicílio;

Posicionamentos Adequados. Objetivo: Preservar o estado anatômico e funcional.

Deitado, em supino:
Pode ser necessário elevar o tronco para maior conforto respiratório;
Manter os membro interiores alinhados;
A faixa em 8 pode ser utilizada para evitar a abdução excessiva dos membros inferiores.

Prono:
Geralmente não é usada pois causa desconforto, principalmente quando há retrações importantes em quadris e membros inferiores. Quando possível também deve ser utilizada.

Decúbito lateral:
Uso de travesseiro que mantenha a cabeça alinhada;
Não deitar sobre o ombro;
Colocar travesseiro entre os joelhos.

Sentado
Cabe lembrar que um posicionamento adequado nessa postura permite, entre outras coisas, melhorar a capacidade respiratória e aumentar a função dos membros superiores.

Adaptações
Cabe ao Terapeuta Ocupacional Orientar e planejar junto com o indivíduo e a família/cuidadores as estratégias de simplificação de tarefas e conservação de energia.

Alimentação
Uso de mesa recortada;
Talheres mais leves e engrossados;
Copos mais leve e com duas alças ;
Pratos com antiderrapante;
Canudos.

Vestuário
Roupas mais largas com abertura frontal;
Substituição de zíper, botões ou cadarços por velcro ou elástico.
Adaptações para facilitar o vestir.

Higiene
Realizar atividades como escovar os dentes, cabelo, lavar o rosto, sentado com
os braços apoiados à pia;
Uso de barras de apoio;
Elevação do vaso sanitário;
Espojas com cabos logos;
Sabonetes presos na cadeira.

Brincar/Lazer
Nas crianças, o brincar é de fundamental importância, pois promove o desenvolvimento cognitivo, afetivo e social e mantém o papel social/ocupacional do indivíduo.

Nos adultos:
Lembrar experiências anteriores (lazer); Resgatar;
Desenvolver novas possibilidades.

Escola/Trabalho
Engrossadores de lápis;
Corretivo no lugar de borracha;
Uso de giz de cera;
Régua com antiderrapante;
Suporte para Braço;
Colméia em acrílico para computador;
Capacete com ponteira para;
Teclados Alternativos;
Mouse adaptados.
Sono
O dormir pode estar dificultado em função do desconforto respiratório e da falta de mobilidade global.
Quanto a parte respiratória, pode ser necessário o uso de cunhas para melhor
posicionamento.
Em relação a dificuldade motora, um colchão mais firme facilita a mobilidade.

Órteses e adaptações
Objetivos:
Prevenir contraturas e deformidades;
Melhorar mobilidade e função, proporcionando ao paciente uma vida menos
dependente;
Favorecer o treino em AVD;
Promover o desenvolvimento de habilidades (atividades produtivas).

Cadeira de Rodas
Uma cadeira de rodas bem prescrita objetiva aumentar mobilidade, autonomia, conforto e segurança, porém uma cadeira de rodas sem adaptações acarreta em danos ao paciente, podendo levar a uma postura inadequada com possíveis contraturas e deformidades; prejudicar funções básicas como respiração, nutrição pela dificuldade de deglutição; alteração no sistema circulatório dificultando o retorno venoso; surgimento de dores e assim refletir diretamente nos aspectos psicossociais alterando a qualidade de vida do paciente

Adequação Postural
Componentes da Cadeira de Rodas:
Assento plano, com base rígida e densidades diferentes;
Apoio lateral de tronco em dois pontos;
Apoio de cabeça removível;
Abdutor;
Almofadas laterais de assento;
Cinto pélvico.

Transferência
Da cadeira de rodas para o chão
Da cadeira de rodas para a cama;
Da cadeira de rodas para a cadeira comum;
Da cadeira de rodas para o vaso sanitário ou cadeira higiênica.
Cinesioatividade e Atividades Aquáticas

Objetivos:
Preservar a função motora e a capacidade respiratória;
 Manter a amplitude articular prevenido contraturas e deformidades;
Promover a funcionalidade;
Melhorar a Circulação sanguínea;
Promover Reeducação da postura e treinar o equilíbrio;
Ex: Atividades com bolas, jogo de botão, bambolê, dominó, xadrez, soprar
barquinho, língua de sogra.

Conclusão
Existe a possibilidade de manter a função ocupacional por mais tempo quando é oferecida assistência adequada, incluindo neste contexto, o terapeuta ocupacional.

“Tudo é Possível até que se prove o impossível. E ainda assim o
impossível pode sê-lo apenas por momento.”

PEARL S. BURK
Referencia Bibliográfica
BREINES, in PEDRETTI. Terapia Ocupacional Capacidades Práticas Para as
Disfunções Físicas, Quinta edição. São Paulo – Roca 2005.
HASSUI, Kato in TEXEIRA, et al. Terapia Ocupacional na Reabilitação Física,
Roca. São Paulo 2003.
PEDRETTI, e MARY. Terapia Ocupacional Capacidades Práticas Para as
Disfunções Físicas, Quinta edição. São Paulo – Roca 2005.
MELLO, 1995. www.fisionet\Maria de Melo.htm

ACADIM

Ultimas Noticias

ACADIM. Todos os direitos reservados.